Notícia publicada em 27/03/2018 - 13:54:53 | GERAL

 

Lixões a céu aberto e sua perigosa contribuição para as

 

Os resíduos depositados nos lixões não recebem nenhum tratamento ambiental e a disposição final adequada do lixo é um dos principais desafios que as cidades enfrentam atualmente, nos últimos 30 anos, a produção de lixo cresceu três vezes mais rápido que o número de habitantes.


No Brasil, o problema do lixo também é preocupante, o avanço na geração de materiais descartáveis levou o governo federal a propor uma lei específica para lidar com a situação: a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Paralelo ao problema relacionado da deposição inadequada do lixo, que contamina diretamente o solo e os lençóis freáticos, está a contaminação do ar por meio das conhecidas "fumaças tóxicas", que na verdade, nada mais são do que o resultado da "queima misturada" de produtos como matéria orgânica, plástico, pneus e vários outros resíduos sólidos que são jogados diariamente nos lixões improvisados.


Os perigos de inalar este tipo de fumaça de incineração variam desde queimaduras nas vias aéreas como o desenvolvimento de doenças respiratórias como bronquiolite e pneumonia até 5 dias depois do incidente, isso porque o monóxido de carbono é uma substância tóxica, gera acumulo de sangue e líquidos na região, impedindo a passagem do ar, outro perigo que pode estar "distante dos olhos" da população, são as chamadas " Chuvas ácidas".
Relação do lixo a céu aberto com a chuva ácida.


Os gases lançados na atmosfera são os grandes responsáveis pelas chuvas ácidas e a denominação de chuva ácida é utilizada para qualquer chuva que possua um valor de pH inferior a 4,5.


A acidez da chuva é causada pela solubilização de alguns gases presentes na atmosfera, entre estes destacam-se os gases contendo enxofre proveniente das impurezas da queima dos combustíveis fósseis, essa acidez natural é causada pela dissociação do dióxido de carbono em água, formando um ácido, conhecido como ácido carbônico.


De forma mais simplificada, durante a queima principalmente do lixo, a fumaça sobe para atmosfera e durante o período de chuva, esta fumaça retorna em forma de gotas de chuva ácida. A médica dermatologista "Fabiane Mulinari Brenner", professora de Dermatologia da UFPR, reforça o efeito, da chuva ácida. “pessoas normais   ou mesmo quem possui doenças como   dermatite, pode ter uma irritação se entrar em contato com a chuva, deixar ela na pele ou emergir a pele na água por um tempo, fazendo surgir urticárias no corpo ou grande sensação de desconforto nos olhos.”


Evite doenças provocadas pela fumaça tóxica, porque cuidar do lixo é preservar a saúde de todos, lugar de lixo é no aterro sanitário.


Uma campanha MFM soluções ambientais, nosso compromisso é com o futuro.

 

 

 

 

AROLDO TAVARES
JORNALISTA: DRT Nº 0860

 

 

 

ATENÇÃO SR(s) INTERNAUTAS

 

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se

prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

 

Publicidade

 

 

 

Publicidade

 

 

Home Notícias Vídeos Classificados Fale Conosco Curiosidades