Home Notícias Vídeos Classificados Fale Conosco Eventos Artigos

Veja Também

Parceiros

Notícia publicada em 09/09/2014 - 07:25:56 | VALE DO PARAÍSO

 

VALE DO PARAÍSO - Mulher era obrigada a se vestir como homem e apanhava todos os dias do marido

 

Um caso de violência doméstica com emprego de cárcere privado e humilhações contra uma mulher de 31 anos e seus três filhos, foi registrado na sexta-feira no município de Vale do Paraíso.

 

A vítima Rutileia Flauzino de Oliveira que juntamente com três filhos, o mais velho com 3 anos, e um casal de gêmeos de 2 anos de idade, sofriam constantes agressões do aposentado Agripino Rodrigues de Oliveira, 53 anos, com a mulher era casada aproximadamente 7 anos.

 

Mãe e filhos foram resgatados desse modo de vida pela Polícia Militar com apoio do Conselho Tutelar de Vale do Paraíso. Trazida para a Delegacia de Polícia Civil de Ouro Preto do Oeste em um veículo do Conselho Tutelar, as vítimas terão mais segurança com as Medidas Protetivas das restrições judiciais que a Justiça deverá adotar, como a que impede Agripino de se aproximar da companheira.

 

A vítima apanhou pela última vez na tarde de quinta-feira, quando decidiu tomar coragem e denunciá-lo. O marido utilizava uma chave de fenda para bater na companheira e dava mordidas animalescas nela e nas crianças que ficavam as marcas de todos os dentes do agressor.

 

A mulher registrou em um celular as marcas da última surra, fotografou as mordidas e marcas deixadas nas crianças após as agressões e entregou no Cartório Criminal da Delegacia Civil em Ouro Preto do Oeste.

 

Como não foi pego em flagrante, o aposentado sequer foi preso; ele responderá em liberdade pela violência que praticava contra a própria família.

 

VESTIDA DE HOMEM

 

No depoimento prestado na delegacia de Ouro Preto do Oeste, a vítima do marido violento disse que era obrigada a sair nas ruas vestida como homem, usando calça, camisa de manga comprida, boné virado para trás e com os cabelos presos.  

 

Uma agente do Conselho Tutelar de Vale do Paraíso disse que por isso estanhava o modo de se vestir de dona Rutileia, que quando saia às ruas de fato se parecia com um homem. Na delegacia, a vítima usava uma calça e cinto masculino.

 

A vítima acrescentou no depoimento que seu marido não a deixava sair de casa, e que também era proibida de conversar com vizinhos ou qualquer pessoa. Ela revelou que era privada até de fazer compras. Ela disse que vivia sob constantes ameaças de morte e que as promessas do marido eram dirigidas a ela e aos três filhos.

 

 

 


 

 

Matéria:Correio Central

 

 

ATENÇÃO SR(s) INTERNAUTAS

 

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se

prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

 

Publicidade

 

 

 

Publicidade

 

Comentários

 

 

Home Notícias Vídeos Classificados Fale Conosco Curiosidades